Lendas do Bosque Gutierrez

Em Curitiba, no bairro Mercês, existe um lugar chamado Bosque Gutierrez que abriga muitas lendas, leremos algumas abaixo:

Hospital de Leprosos:

Diz a lenda que no século dezoito, perto do bosque Gutierrez, havia um hospital de leprosos, que sofriam muito por causa do preconceito da época. Por isto estes doentes fizeram um túnel para escapar de uma possível perseguição. Até os anos sessenta, havia um pedaço deste sanatório perto do bosque: era uma casa de madeira com alguns objetos antigos. Nela havia um alçapão que dava acesso ao misterioso túnel.

O Pirata Zulmiro:

Reza a lenda que no século dezenove um pirata inglês chamado Sulmmers veio se esconder, com uma arca com tesouros, em Curitiba e comprou algumas terras no bairro Mercês. Falam que ele escondeu o baú no meio dos túneis que já existiam no Bosque Gutierrez.
No bairro Vista Alegre, que é região vizinha às redondezas das Mercês, havia uma menina chamada Débora que estava triste, pois havia perdido sua avó recentemente. Seu amigo Henrique, ao ver a tristeza da garota, teve a idéia de reunir a turma e fazer a “brincadeira” do copo no Bosque Gutierrez para que Débora entrasse em contato espiritual com sua avó. Assim, a menina aceitou a sugestão e foi até a floresta com mais dois amigos. Desta forma o grupo rezou e quando Débora colocou o dedo no copo, o objeto foi até Henrique. Após isto, a menina perguntou:
- Tem algum fantasma, aí?
De repente, os olhos de Henrique começaram a se virar. Desta forma, o garoto disse com uma voz estranha:
- Meu nome é Pirata Sulmmer, mais conhecido como Pirata Zulmiro, e minha alma vive neste bosque. Muitas pessoas procuram o meu tesouro que está enterrado nesta região. Mas o baú será encontrado só daqui a quarenta anos.
Após esta mensagem, o menino desmaiou e as outras crianças pediram por socorro.

O Fantasma do Cachorro Que Morreu de Choque No Lago do Bosque:

No Bosque Gutierrez há um lindo lago. Em 2009, havia um cachorro da raça labrador chamado Príncipe, que morava no bairro Mercês e amava passear sempre por esta floresta. Este animal, também, gostava de brincar com as crianças que freqüentavam o bosque. Um certo dia, este bicho saiu para fazer seu passeio de costume e pulou no lago. Porém, foi eletrificado na hora porque houve um curto-circuito na bomba do lago, fato que fez a água ficar eletrificada.
Na noite seguinte algumas pessoas, que passavam perto do bosque, afirmaram que viram uma criatura transparente, com olhos brilhantes e semelhante a um cão passeando pela floresta.
Numa noite, uma estudante chamada Taís caminhava, tranquilamente, pelo bairro das Mercês quando notou que um bandido estava seguindo seus passos. Então ela começou a gritar e entrou no bosque com a intenção de se esconder do marginal. Porém, quando o assaltante chegou perto da jovem surgiu uma estranha criatura transparente, com olhos de fogo e com o formato de um cachorro labrador. Assim, o marginal se assustou e fugiu correndo. Após isto, Taís chegou perto do animal e disse:
- Obrigada!
Naquele instante, a moça percebeu que havia uma coleira com a palavra Príncipe e um número de telefone gravados. Após fazer esta observação a criatura latiu e se jogou na água.
No dia seguinte, a jovem telefonou para aquele número e disse:
- Alô!
Do outro lado da linha um homem atendeu e perguntou:
- Em que posso ajudar?
A jovem indagou:
- Por acaso o senhor é dono de um cachorro da raça labrador chamado Príncipe?
Desta maneira, o rapaz respondeu:
- Eu tinha este cão, mas ele faleceu a dois meses atrás porque levou um choque no lago do Bosque Gutierrez.
Luciana do Rocio Mallon