Fome de Amor

Nádia era uma artista. Amava desmesuradamente sua vida e esta se resumia a um nome: Walterci. Eles se conheceram há mais ou menos sete anos, num concurso de culinária patrocinado pela empresa de farináceos "Bolo Fofo". Casaram-se dois meses depois da entrega do prêmio, onde Walterci entregou a Nádia uma batedeira último modelo, presente destinado ao primeiro lugar.

Formavam um casal apaixonado e levavam uma vida recheada de aromas e sabores refinados. Durante os doces sete anos, Nádia aprimorava sua culinária, refinando os gostos e apurando seu dom. Walterci, por sua vez, tornara-se um verdadeiro gourmet. Tiveram um filho, Waltercizinho, que era testemunha das delícias de Nádia e do amor do casal.

De tão doce chega-se ao amargo. O amor de Walterci por Nádia parece ter perecido, não se pode definir exatamente quando ele se saciou. Walterci não sentia mais o amor de Nádia em seus pratos, a comida lhe parecia insossa. Sua mulher, desesperada, não sabia mais onde tirar receitas para recuperar o apetite do ex-glutão.

No dia do aniversário do filho do casal, Nádia teve a idéia que poderia salvar o seu casamento. Joana, tia do menino, disse uma frase iluminada ao olhar seu sobrinho soprando a vela de cinco anos que afundava no marshmellow:

_Mas como o Waltercizinho é fofinho!!

No dia seguinte, Walterci provou a mais sublime especiaria já preparada por Nádia. A cada pedaço daquela carne dourada, reacendia a chama do amor. Cada garfada daquele assado reafirmava que Nádia era a mulher de sua vida. A partir daquele banquete, eles se amaram eternamente e em seu amor não cabia mais ninguém. Eram apenas duas bocas sorvendo as delícias do ser humano.